Notícias

Dia dos Pais movimentará R$ 120 milhões

4 de agosto de 2017

Fecomércio logo informativo

Dia dos Pais movimentará R$ 120 milhões

O Dia dos Pais deve movimentar R$ 120 milhões no comércio fortalezense. A estimativa é a de que as vendas superem em 7% o resultado do ano passado (R$ 112 milhões). Com o resultado esperado para este ano, o Dia dos Pais se consolida como a quinta melhor data para o varejo da capital cearense, de acordo com a pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Ceará (Fecomércio-CE) divulgada ontem.

A pesquisa da Fecomércio-CE sobre o Dia dos Pais revela que o preço médio do presente será de R$ 149 DEIVYSON TEIXEIRA, EM 18/12/2011

O estudo apontou que os itens preferidos na hora de presentear os pais serão peças de vestuário, calçados, bolsas, perfumaria e relógios (45% dos entrevistados). Esta parcela é maior do que a apresentada em 2016 (39,8%). O perfil predominante do potencial comprador é do sexo feminino (46,3%), com idade até 20 anos (61,4%) e renda familiar entre três e seis salários mínimos (53,5%).

Entre os itens preferidos para presente, o vestuário se destaca com 49,6% de intenção de compra, seguido por calçados e bolsas (19,0%), perfumes (14,4%), e relógios (12,6%). Sobre o local onde vão comemorar a data, no próximo dia 13,79% dos entrevistados querem celebrar em casa e 13,7% em restaurantes. Apenas pouco mais da metade (51,3%) pretende comemorar o Dia dos Pais. Já entre os que vão aos restaurantes, destacam-se as pessoas com renda superior a seis salários mínimos (47,8%).

O valor médio dos presentes está estimado em R$ 149 e a forma de pagamento mais utilizada será à vista (64,8% dos pesquisados), seguido do cartão de crédito (36,5%).

Ainda conforme o estudo, na hora de fazer comprar, o preço é o principal fator levado em conta para 54,8% dos entrevistados. “O Dia dos Pais é quinta melhor data para o comércio varejista local, ficando atrás do Natal, Dia das Mães, Dia dos Namorados e Dia das Crianças”, afirma a Fecomércio-CE.

Sinais de recuperação
Almir Bittencourt, professor de economia da Universidade Federal do Ceará (UFC), disse que a melhora das perspectivas do comércio local já reflete os sinais de recuperação da economia nacional. “A inflação tem recuado todos os meses, a taxa de juros deve encerrar o ano na casa dos 7%, o PIB (Produto Interno Bruto) já apresentou uma melhora. Ainda temos uma taxa alta de desemprego, mas o número vem caindo aos poucos, de forma lenta e gradual”.

Apesar dos sinais de melhoras, Almir destaca o baixo poder de crédito que a população tem. O especialista diz que houve queda animadora da Selic, mas os juros ainda são muito altos para o consumidor. “Há uma diferença enorme ainda entre a taxa de juros da economia e os juros da linha de crédito para os consumidores. Os grandes responsáveis pelos juros elevados são os bancos. São poucos os grandes bancos que concedem crédito. As instituições se resguardam devido ao grande risco de inadimplência. Quanto maior o risco de não cumprir com os pagamentos, maior a cautela dos bancos e maiores serão os juros”.

Segundo o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL-Fortaleza), Severino Ramalho Neto, espera-se movimento no varejo local de 5% a 10% maior que o mesmo período de 2016. “Nossa expectativa é positiva, estamos animados com o período comemorativo para o comércio local”, ressalta.

Para ele, o varejo já sabe que os clientes estão indo às compras com o objetivo de pagar à vista. “Os lojistas já sabem que o crédito está limitado. Por isso é preciso se encaixar na proposta do consumidor. As lojas que souberem melhor identificar esse perfil atual dos clientes vão se sobressair e atingir um volume maior de vendas”.

Link:http://www.opovo.com.br/jornal/economia/2017/08/dia-dos-pais-movimentara-r-120-milhoes.html


Dia dos Pais deve movimentar R$ 120 mi na Capital; alta de 7%

Com mais pessoas interessadas em comprar, o Dia dos Pais deste ano deve ser melhor para varejo que em 2016. De acordo com pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Ceará (Fecomércio-CE), a previsão é que a data comemorativa movimente R$ 120 milhões na economia da Capital cearense, um aumento de 7% sobre o valor estimado para o Dia dos Pais do ano passado.

Os itens de vestuário lideram a preferência do consumidor fortalezense na hora de escolher o presente. A maioria também vai pagar as compras para a data à vista com dinheiro ( Foto: Rodrigo Carvalho )

Em consonância com esse avanço, cresceu também o número de fortalezenses dispostos a comprar presentes para os pais, alta de 5,7 pontos percentuais ante 2016, levando a fatia a 45,5% neste ano.

Para Maurício Filizola, vice-presidente da Fecomércio-CE, o salto é reflexo de uma melhora da confiança do consumidor. Ele destaca ainda que esses números devem ser observados pelo comércio e usados como base para que o varejo se posicione estrategicamente para a data.

“São dados importantes para nortear as ações do varejo. Na pesquisa, o consumidor diz quanto ele pretende gastar, o que ele vai comprar. Cabe, nesse momento, ao empresário, fazer todo esse trabalho de vitrine para o Dia dos Pais e até mesmo precificar dentro desse valor que o consumidor pretende gastar”, avalia Filizola.

Valor
Com relação ao valor destinado à compra dos presentes, 33,5% dos entrevistados disseram que pretendem gastar entre R$ 101 a R$ 150. Presentes entre e R$ 201 e R$ 250 são a preferência de 19,5% dos consumidores.

Em seguida estão os gastos de R$ 51 a R$ 100 (13,7%); de R$ 151 a R$ 200 (10,7%) e de R$ 301 a R$ 350 (6,4%). Apenas 1,6% dos consumidores entrevistados pretendem gastar mais de R$ 400 com a compra do presente para o Dia dos Pais.

O perfil predominante do potencial comprador é do sexo feminino (46,3%), com idade até 20 anos (61,4%) e renda familiar entre três e seis salários mínimos (53,5%).

Forma de pagamento
Evitando contrair novas dívidas e buscando obter descontos da hora da compra, muitos consumidores darão preferência ao pagamento à vista nora de comprar o item escolhido para presentear. Na pesquisa realizada pela Fecomércio-CE, 64,8% disseram que pagarão as compras à vista com dinheiro, 36,5% vão usar o cartão de crédito, 4,6% à vista com cartão de débito e 0,4% com crediário.

Produtos
A maioria dos consumidores entrevistados pela Fecomércio-CE (67%), afirmou que dará apenas um único presente na data. Outros 24,1% disseram que darão dois presentes, enquanto 7,6% pretendem comprar três produtos. Somente 0,3% devem comprar cinco ou mais presentes.

Os itens de vestuário lideram a preferência daqueles que vão presentear neste Dia dos Pais, com 49,6% das intenções de compra. Em seguida, aparecem calçados (19,0%), perfumaria (14,4%) e relógios (12,6%). Produtos mais caros, como celular e televisão, também estão entre os dez itens que mais devem ser presenteados neste ano, com 4,3% e 1,5% das intenções de consumo, respectivamente.

Decisão
Em um cenário econômico ainda desafiador, com o desemprego em alta em todo o País, o preço será o principal fator para a decisão de compra, sendo citado por 54,8% dos entrevistados. O dado pode ser interpretado A variedade dos estabelecimentos (46,3%) e a atratividade das vitrines (36,8%) também são importantes para atrair a atenção dos consumidores.

Comemoração
Além da compra dos presentes, mais da metade (51,3%) dos consumidores ouvidos pela pesquisa da Fecomércio-CE pretende comemorar a data. O local preferido entre os que vão celebrar o Dia dos Pais é na própria casa ou em residência de parentes (79,0%). Em seguida, estão restaurantes (13,7%) e praia (2,9%). De acordo com a Fecomércio-CE, a procura por restaurantes varia com a renda, sendo mais intensa no grupo com renda superior a seis salários mínimos (47,8%). Uma fatia de 1,6% dos consumidores deve viajar, enquanto outros 1,3% celebrarão na igreja.

Link:http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/dia-dos-pais-deve-movimentar-r-120-mi-na-capital-alta-de-7-1.1799404


Vendas para o Dia dos Pais devem subir 7%

Acompanhando a estimativa de alta nas vendas para o Dia dos Pais em 2016, o comércio espera novo resultado positivo este ano. Enquanto a projeção seja menor que os 10% no faturamento do ano passado, com R$ 112 milhões em vendas, a estimativa, para este ano, é que os fortalezenses movimentem R$ 120 milhões – uma alta de 7% sobre o Dia dos Pais anterior. Apesar do otimismo, a data comemorativa continua como a quinta melhor em vendas, no ano, para o varejo de Fortaleza – atrás de Natal, Dia das Mães, Dia dos Namorados e Dia das Crianças. As informações são da pesquisa sobre o Potencial de Consumo de Fortaleza Dia dos Pais, divulgada, ontem, pela Federação do Comércio do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), que ouviu 900 consumidores da Capital.

O perfil de consumo para o Dia dos Pais mostra grande homogeneidade nos produtos que se deseja adquirir, com 95,6% das indicações de consumo em apenas quatro produtos – em 2016, esse percentual era de 98,2%. No entanto, o levantamento aponta que as compras serão bem restritas, já que 67% dos entrevistados afirmaram que comprarão apenas um presente este ano. Dando preferência por vestuário, calçados e bolsas, itens de perfumaria e relógios, 45,5% dos entrevistados afirmaram intenção de ir às compras para o Dia dos Pais ­– percentual superior ao da mesma pesquisa no ano passado, de 39,8%. Já 49,1% afirma que não comprarão presente algum este ano.

Destaques
A franca preferência é pelos artigos de vestuário (49,6% de intenção de compra), seguido por calçados e bolsas (19%), itens de perfumaria (14,4%), e relógios (12,6%) – comparando-se com a data comemorativa de 2016, os percentuais oscilaram: 56,8%, 18,1%, 16,3% e 7%, respectivamente. O perfil predominante do potencial comprador é do sexo feminino (46,3%), com idade até 20 anos (61,4%) e renda familiar entre três e seis salários mínimos (53,5%) – todos acima do observado no ano passado, de 44,4%, 54,9%, 46%, nessa ordem.

O comportamento das intenções de compra mostra que boa parte dos consumidores estão evitando contrair novas dívidas, já que e a forma de pagamento mais utilizada será o pagamento à vista (64,8% das respostas), seguida do cartão de crédito (36,5%) – inversamente ao que se observou em 2016, cujas proporções foram de 73,1% e 29,6%. O valor médio da compra, para este ano, é estimado em R$ 149,00 – abaixo dos R$ 155,00 observados para o Dia dos Pais do ano passado.

A pesquisa também revela que 51,3% dos entrevistados pretendem comemorar a data, principalmente em suas próprias residências (73% das respostas) ou em restaurantes (13,7%). A procura por restaurantes varia com a renda, sendo mais intensa no grupo com renda superior a seis salários mínimos (47,8%) – bem acima dos 21,6% de 2016.

Locais de compra
O levantamento aponta que, neste ano, o comércio informal no Centro/Camelôs são os locais preferidos para a procura de presentes, sendo citados por 35,6% dos entrevistados – no ano passado, os supermercados lideravam, com 38,1%. Na sequência, estão as lojas de departamentos (31%), shopping centers (20,8%) e supermercados (17%). Também contrariando o ano de 2016, o dia de maior procura por presentes é o domingo em vez de sábado, tendo sido citado por 29,4% dos consumidores. Ainda conforme a pesquisa, o consumidor se mostra muito atento aos preços (54,8%) – respondendo ao principal fator para a decisão de compra –, bem como a variedade de produtos (46,3%), mas a beleza das vitrines (36,8%) pode ser um fator decisivo para atrair a sua atenção.

No País, 57% devem comprar presentes
No País, embora os brasileiros ainda estejam sensíveis aos efeitos da recessão e do desemprego, o percentual de pessoas que devem ir às compras no Dia dos Pais é maior neste ano do que em 2016, já que 57% deles têm a intenção de comprar presentes na data – o que representa um contingente aproximado de 86,1 milhões de consumidores. Os que não manifestaram a intenção de comprar presentes somam 41% da amostra e os que ainda não sabem são 2%. No ano passado, o percentual de brasileiros que presentearam os pais foi de 49%, segundo um levantamento, divulgado, ontem, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em todas as capitais.

Os dados do estudo sugerem cautela do brasileiro na hora de ir às compras, já que a maior parcela dos entrevistados que irão presentear (38%) pretende gastar o mesmo valor desembolsado em 2016 e 26% planejam até mesmo diminuir os gastos. De acordo com a sondagem, apenas 13% dos consumidores planejam gastar mais do que há um ano. “Como a maior parte dos brasileiros não deverá ampliar seus gastos, cabe aos varejistas compreender as limitações financeiras dos consumidores a fim de estimulá-los às compras. O consumidor está cauteloso para consumir e é importante oferecer opções de menor custo para presentear nas datas comemorativas”, afirma o presidente da CNDL, empresário cearense Honório Pinheiro.

Link:http://www.oestadoce.com.br/economia/vendas-para-o-dia-dos-pais-devem-subir-7


Meta é aprovar Previdência até outubro

Para ministro, o ambiente criado pelas mudanças em legislações como a do Trabalho e da Previdência é extremamente positivo para os investidores

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou ontem (3) que a reforma da Previdência deve ser votada na Câmara e no Senado até outubro. O ministro disse também que a previsão é que a reforma tributária seja votada logo em seguida, entre outubro e novembro. Segundo ele, que falou logo após participar de evento do Banco Goldman Sachs, o resultado da votação na Câmara não deve interferir nas votações das reformas, reforçando que a “conscientização” dos congressistas vai viabilizar a questão.

“A sinalização de ontem não foi necessariamente negativa. Era o quorum demandado para aquela decisão”, disse. Na quarta-feira (2), 263 deputados votaram pelo arquivamento do pedido de autorização para investigar o presidente da República, mas a reforma da Previdência exigiria 308 deputados.

Meirelles, no entanto, admitiu que a reforma tributária pode ser apresentada primeiro. “Idealmente espera-se que a Previdência seja votada em primeiro lugar”, disse. “Mas estamos trabalhando duro na reforma tributária e ela vai ser apresentada ao Congresso proximamente. Se até lá a Previdência não tiver sido votada, a gente pode votar a tributária primeiro”, observou.

O ministro também negou haver espaço para mais concessões na reforma da Previdência em relação ao último desenho apresentado.

Meta fiscal

Meirelles voltou a dizer que, a princípio, o objetivo é entregar um déficit fiscal de R$ 139 bilhões, mas que a equipe está analisando as razões de queda da arrecadação, que acabaram gerando incertezas sobre a meta.

Meirelles falou também de outras questões “pontuais”, como prejuízos de bancos e empresas, que também impactaram as receitas. Esse fenômeno, afirmou, está se esgotando e a arrecadação deve reagir.

Outra variável, a queda da inflação, também teve efeito importante sobre o recuo da arrecadação, pois os números para calcular a meta fiscal usavam a inflação em 4,5%, disse. “Mas segundo as projeções do Banco Central, a inflação volta a convergir para a meta e, portanto, isso tende a regularizar essa parte da receita”, afirmou.

PIS/Cofins
Com relação aos questionamento de algumas entidades e da própria Justiça sobre a elevação do PIS/Cofins dos combustíveis como uma estratégia para cumprir a meta fiscal de 2017, o ministro ressaltou que é “uma discussão normal”. “O parecer da Advocacia-Geral da União é que neste caso o aumento do PIS/Cofins sobre combustíveis pode ser feito por decreto”, afirmou.

Agenda reformista
Meirelles fez palestra para investidores ontem em evento do Goldman Sachs e, segundo ele, prossegue o interesse de se investir no Brasil. “Essa trajetória toda de reformas cria um ambiente extremamente positivo para o País voltar a crescer e gerar emprego. Isso começa de fato a acontecer”, afirma.

No evento, uma das dúvidas dos investidores foi sobre os próximos passos do governo e a expectativa da equipe econômica para o avanço das reformas, segundo contou Meirelles. O ministro falou aos investidores sobre esforço do governo para fazer microrreformas, que reduzam a burocracia e melhorem o ambiente de negócios.

“É uma agenda bastante positiva, que mostra nossa disposição de continuar perseguindo essa agenda de reformas”

Link:http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/meta-e-aprovar-previdencia-ate-outubro-1.1799387

Fecomércio logo Claudinha inter

Comentários estão fechados.